terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Seleção para 2015




Deste ano que passou
só fico com o que agrega,
só fico com o que tem luz.
Fico também com a fé
 que me conduz
para outros novos caminhos...
Fico com a esperança,
fico com os carinhos,
fico com a força
 que me deu o sofrimento,
fico com os gestos de amizade,
 descarto deslealdade,
descarto ingratidão...
Deixo no passado toda a decepção
e guardo bem dentro do coração
todo o amor que me foi dado
e tudo que à alegria me deixa conectado,
 como gestos de delicadeza,
ternura,  generosidade  e gentileza
que me dão a certeza
que vale a pena viver,
 sonhar novos sonhos,
e entrever que tudo é possível
desde que tenhamos lentes pra enxergar,
 coragem pra lutar
e asas pra voar!
 
Carmen Vervloet

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Canção de Ano Novo






Lá vem chegando o Ano Novo
trazendo, em seu âmago, alegria,
vem abençoando todo povo,
vem pleno de cortesias.
 
Chega ensaiando um verso,
solfejando um canto de confiança,
traz boas energias do universo,
vem semeando bonança.
 
Entrega a cada um de nós,
sua linda menina de tranças,
que entoa em sua voz
um canto de esperança.
 
Grita em nossos ouvidos
sua canção de felicidade,
acorda sonhos adormecidos,
abençoa a nossa cidade!
 
Feliz Ano Novo, Feliz Ano Novo!
Repete em coro o povo.
Feliz Ano Novo, Feliz Ano Novo!
Entoa o povo de novo.
 
Carmen Vervloet

domingo, 28 de dezembro de 2014

sábado, 27 de dezembro de 2014

Canção de Ano Novo




 

E de repente as taças se cruzam,
os fogos riscam o céu,
os ponteiros do relógio acusam
o Ano Novo que surge ao léu.
 
E de repente os olhos se cruzam,
de amor se lambuzam,
as mãos se entrelaçam,
as pessoas se abraçam.
 
O sorriso não cabe nos lábios,
 a vida pulsa feliz
e o coração que é sábio
diz que é eterno aprendiz.
 
 E de repente a esperança
 renasce no coração,
vem como menina de tranças,
dando voz pra esta canção.
 
Feliz Ano Novo! Feliz Ano Novo!
Entoam os corações plenos de confiança!
Feliz Ano Novo! Feliz Ano Novo!
A fé se entrega nos braços da esperança!
 
Carmen Vervloet
 
 
 
 

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Soneto de Natal


A cidade se veste em roupas de gala
e a paz envolve a todos como por encanto,
o espírito natalino no âmago não se cala,
os corações compõem ternos acalantos.

O Menino-Deus renasce vigoroso
renova o amor perdido pelo mundo,
lança sobre a terra seu olhar afetuoso,
desperta em nós um sentimento profundo.

E no deslizar das horas agora mais vivas
ressurgem lembranças guardadas do passado
e o natal chega alegre em comitiva

Acende a esperança da alma adormecida
que no bem-querer responde ao seu chamado
abrindo os braços em singela acolhida.

Carmen Vervloet

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Canção com Endereço


Você é sol, é sal, é céu, meu ar,
Você é minha estrela matutina,
A vida brilha no seu olhar,
O seu sorriso tudo acetina.
 
Você é sol, é sal, é céu, meu ar,
Você é minha adrenalina
Meu coração veio abalar
Você é minha turbina.
 
Você é verso, é música, canção,
Meu confete, minha serpentina,
Minha mais linda aspiração,
Minha única e inevitável sina.
 
Em seus braços a vida é cor-de-rosa
Tudo é poesia e inspiração
Sua boca de mel venenosa
Assopra esta alegre canção.
 
Carmen Vervloet
 
 

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Canção Pra Você


Lindo é viver feliz,
amar, cantar, sentir,
ser eterno aprendiz
da vida...
Lindo é amar você,
viver sem mentir,
sem deixar cicatriz,
nenhuma ferida.
Lindo é ter você
poder lhe cingir,
fincar sua raiz
na minha raiz,
desnudar
sua alma escondida.
Lindo é ter você,
o seu corpo despir,
nos meus braços feliz,
lhe amar sem nenhuma
medida.
 
Carmen Vervloet

Canção da Janela Aberta




Passa nuvem, estrela amarela,
passa a lua na minha janela,
passam barcos nesta tela,
paisagem em aquarela...
 
Passa gente deprimida
e gente alegre também,
no vai e vem da vida
vou contando até cem.
 
Passa soprando o vento,
um lamento em canção,
passa correndo o tempo
sem nem me prestar atenção.
 
Passam anjos, passam demônios,
Passam lágrimas, passam risos,
Passam Marias e Antônios,
Passam humildes e narcisos.
 
 
Passa a música da cervejaria,
passam as vozes na calçada,
passam acordes de alegria,
passam as almas penadas.
 
E o meu olhar, pela noite
enigmática e longa, navega,
grava em minh ’ alma os açoites
que o mistério da noite carrega.
 
Carmen Vervloet
 
 

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Toda Amor


 

 

Nos meus olhos o brilho dos seus olhos
que acendem meus dias...
No ar um perfume sem nome
que fica no seu rastro e me dá vertigem.
Nos meus ouvidos a música,
 de tantas palavras de amor, que toca no coração.
No meu corpo o leve roçar dos seus dedos
despertando sensações à flor da pele.
Na minha boca o gosto do seu beijo,
o contato sutil do nosso ardente desejo.
 
Carmen Vervloet

sábado, 25 de outubro de 2014

Laços


 

 

Quem sabe se esta nuvem de tristeza
Caia como chuva fazendo brotar outro jardim
Um outro ciclo, nova vida, outras proezas,
A alegria ressurgindo, crescendo dentro de mim.
 
Uma fase da vida cheia de enganos e surpresas
Enterrada pra sempre num sepulcro do coração
E que sejam bem-vindas todas as delicadezas
Que transformarão este denso inverno em verão.
 
Não mais me assombram as noites sem luares
Sei que um mundo novo está a minha espera
Já antevejo o brilho nas estrelas preliminares
Não mais me engana a miragem da quimera.
 
E sigo a luz que orienta meu passo a passo
Caminho no rastro da fé e da esperança
Deixo que Deus segure firme no meu braço
E vou estreitando sempre mais os nossos laços.
 
Carmen Vervloet
 
 
 
 

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Canção para Isabela


  

Minha neta, meu poema,
minha doce inspiração,
suave cheiro de alfazema,
menina da minha canção.
Meu botão tão cor de rosa
dona do meu coração,
 minha açucena formosa,
musa da minha canção.
Numa nuvem de rendas e fitas
irrompeu galharda e bela
trazendo alegria infinita
de Deus a mais linda aquarela.
O som que daqui se evola
com tamanha intensidade,
 doce como som de viola,
é som de felicidade!
 
Carmen Vervloet
 
 

domingo, 14 de setembro de 2014

Viagem


Partimos em busca de alegrias,
olhos voltados para nosso momento,
corações cheios de amor,
plenos de nós.
 Suas mãos pousadas na minha vida
dedilhando as cordas das minhas horas,
minhas mãos postas na sua vida
desfiando o rosário dos seus dias.
Eu sentindo o perfume e o gosto da sua alma,
você desfolhando minha essência
nos versos da minha poesia.
Vamos desbravando
nossas terras morenas e quentes,
mergulhando em poços de emoções,
nos nossos olhos a vida cantando
a cantiga deste amor tão bonito.
E assim vamos cultivando
este encontro de almas e corpos,
eu sentindo o seu sabor
 que é todo o gosto da minha vida,
 você sentindo o meu sabor
que é o desejo dos seus lábios.
 
Carmen Vervloet
 

Canção da Espera


Pegue o primeiro voo e venha...
Venha urgente pra junto de mim,
não resisto a esta distância
que parece nunca ter fim.
Olho seu retrato  e seus olhos
tingidos de azul
me fixam, obstinados,
meu coração bate acelerado
e a saudade toma conta de mim.
Invento uma canção para
encher o tempo...
Destas que se inventa
para caminhar em dias sem sol,
espero impaciente o arrebol,
a noite chega e a saudade só aumenta.
Venha amor, venha urgente me aquecer,
pois o inverno está próximo a morrer
e meus braços loucos pra te envolver.
 
Carmen Vervloet

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Estava Escrito Nas Estrelas

Nasceu na minha vida como uma flor...
Veio como brisa calma depois do vendaval,
trouxe na bagagem um amor tão perfumado
que deixou meus versos embriagados
e o meu coração um manancial
de afetos que jorram incessantemente.
Veio de uma forma quase irreal,
veio de longe... de longa jornada
ao encontro desta terra arada.
Semeou na minha vida a sua semente
que renasce nos meus versos a cada dia
de uma forma tão ardente
como sua pele quente e macia
que nosso infindo desejo irradia.
 Tudo ao redor toma a forma,
  a cor, o sabor de um doce beijo
 que me leva  a um infinito adejo,
afinada nos seus arpejos.
 
Carmen Vervloet
 
 

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Sobre a Ingratidão


Tela de Aline Brum Rossoni
 
 
 
Sobre Ingratidão.
 
Aquele que não reconhece os favores recebidos e ainda pisoteia seu benfeitor pode ter certeza que o amanhã lhe devolverá em dobro sua ingratidão. A lei do universo tarda, mas nunca falha.
Carmen Vervloet


terça-feira, 12 de agosto de 2014

Canção da Lua Cheia




Lua que no céu flutua
tão fúlgida, tão linda, tão cheia,
sedutora, deslizas nua,
encantas até as sereias!
O mar por ti prateado
acaricia excitado a areia
e tão cheio de desejo
entoa sonoros arpejos.
Um casal de namorados,
sob teu luar tão puro,
beija-se, apaixonado,
sabor de figos maduros!
Radiosa, navegas no céu,
sem pudor, navegas sem véu...
Cruza o sonho que eu sonho,
traz o cavaleiro do luar
que no seu rosto cor de prata
 o seu fascínio retrata.
 
Carmen Vervloet

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Canção sem Nome


 

Nos rodopios da vida
sou escala musical
sou samba de uma nota só,
sou fado em Portugal.
Desafino, volto ao tom,
canto um canto matinal,
choro nas cordas da viola
tenho alma atonal.
Nas teclas do piano
sou música convencional,
sou nota fora do tom,
sou canção sentimental.
Marco o ritmo no coração,
solto notas cor de prata,
nas cordas do violão
vou compondo esta cantata.
 
Carmen Vervloet
 
 

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

No Compasso do seu Passo



Dedos de chuva sombreiam a manhã
e roseiras nas suas ramas pensativas
acolhem borboletas que pousam encharcadas...
 
Sinto o cheiro que escapa da terra molhada
que soterrou nosso amor que queria florir.
 
 Junto ao vento que corta a folhagem
voo até você.
Ponho-me ao seu lado,
mas está tão distraído
que nem me vê.
 
Vai... e seu passo marca o compasso
do meu coração.
Nem mais nossas sombras se fundem...
Sigo sozinha em outra direção
no silêncio da estrada
onde a tarde triste  esconde seu rosto.
 
Carmen Vervloet
 

 

segunda-feira, 28 de julho de 2014

O Gemido das Águas






 

O choro vão da água tristonha

Na sua escassez de cada dia

Já não desperta no homem a vergonha,

De devastar sua fonte de vida e energia.

 

Tão desperdiçada a pobre coitada,

Contaminada por lixo e poluição...

Sobre ela ameaça o gume da espada

Empunhada pela mão de quem não ouve a razão.

 

Corre em seu leito gemendo tanta dor

Golfando o lixo que a sufoca e mata...

Este outono mudou mais e mais sua cor,

Tirou-lhe o brilho cor-de-prata!

 

E triste ando pelas margens ermas

Recordando sua abundância do passado

Sentindo a desolação das águas enfermas

Enquanto sinos dobram aos finados.

 

Carmen Vervloet

 

 

 

quarta-feira, 23 de julho de 2014

SEMPRE É TEMPO PARA AMAR






Para viver o amor
não existe tempo certo...
O passado que nos fez sofrer
 devemos sepultar
 para  deixar  o coração liberto.
Quem se enclausura no passado
deixa de viver, afoga-se em solidão,
não abre a porta para uma nova paixão.
Nascemos para amar, desamar,
esquecer, voltar a amar...
Este é nosso destino,
estar sempre pronto
para encher de doce  amor
a concha que se esvaziou no coração.
O amor é nossa maior vocação!
 
Carmen Vervloet
 

terça-feira, 22 de julho de 2014

Recomeço





Viaja para o amanhã...
Vence a tristeza,
e avança seu passo
por terras diversas.
Vai pela mão inversa,
deixa pra trás o desgosto
e sem nenhuma certeza
busca outro rosto,
um novo sorriso,
formas indecisas
escondidas em agosto.
Troca silêncio por conversa,
isolamento por festa,
desentendimento por paz.
A índole sempre audaz
teima que é capaz
de fazer surgir da hora triste
a hora mais bela
que brilhará como linda estela
num céu alegre de verão!
 
Carmen Vervloet