quinta-feira, 22 de maio de 2014

Imperfeita




Nesse calendário antigo
vou arrancando uma a uma
as penas do tempo...
Fazem já oitocentos e
quarenta e cinco meses
que gesto minha alma.
Vejo o tempo quase depenado
e minha alma ainda
tão imperfeita...
Enquanto o vento, entediado,
penteia as nuvens, penso:
- De quantas vidas, iguais a esta,
precisarei para que
minha alma fique pronta
para renascer luminosa em outra vida?
 
Carmen Vervloet
 


Um comentário:

Francisca Bourguignon disse...

Poesia no Canto é um blog lindo, com poesias que nos remete ao belo, com leveza, delicadeza e sensibilidade. Parabéns Carmen Vervloet! Obrigada meu Deus pelos poetas e poetisas dos quatro cantos do mundo por colocar no papel, desnudando suas almas e vestindo as nossas, pobres mortais, com os versos poéticos que nos fazem sonhar..., amar...! Beber cada palavra como se fosse néctar de flores.