quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

PORTO DE TUBARÃO - UM GRITO SOLITÁRIO



Acordo nesta ensolarada manhã de segunda feira que teria todos os motivos para ser mais uma agradável manhã de verão. Moro no bairro mais nobre de Vitória, a Praia do Canto. Uma belíssima vista para o mar, hoje calmo e azul. Da minha janela vislumbro uma paisagem capaz de inspirar os mais lindos versos de amor e devoção à natureza. Mas não. O que grita dentro de mim é a revolta de ver minha cidade coberta por nuvens negras vindas do Porto de Tubarão. Nuvens que poluem minha cidade e trazem em suas garras graves problemas de saúde à população. É o nosso “famoso” pó de minério, um pó preto que cobre os pisos, os móveis, as cortinas das nossas residências. Que as invade sem dó nem piedade. Que chega ao sopro do vento nordeste. Entra por portas, janelas, passa por entre frestas e causa danos irreparáveis a nossa saúde. Pobre coitado do nosso aparelho respiratório! Ele já não suporta mais tanto pó! Mas esse pó preto não é apenas sinônimo de luto. Ele também faz com que algumas pessoas fiquem cada vez mais ricas. E como ficam... Pessoas envolvidas no processo de camuflagem dessa devastadora poluição. Basta passar a mão sobre qualquer canto da casa e a mão fica negra do maldito pó. É um negro que nos remonta a triste morte e ao luto dos nossos corações face ao descaso de tantas “autoridades” envolvidas em altíssimos jogos de interesses. A imprensa fala superficialmente sobre o assunto. Ela tem nas EMPRESAS POLUIDORAS seus maiores anunciantes e precisa de anúncio para sobreviver. E então a quem recorrer? Ao bom Deus, incomodá-lo lá no céu? Creio ser a única alternativa que nos resta. Conversando casualmente com uma funcionária de determinada Secretaria (que deveria zelar pelo meio ambiente) disse-me ela que apenas em véspera de eleição é que o referido órgão “abre os olhos” numa campanha eleitoreira. De vez em quando, creio que quando o povo pressiona mais, durante o dia o pó é mais ou menos filtrado e a noite os filtros são desativados para que se dobre ou mais a produção. Mas daqui eu tudo observo. Nada me passa despercebido. E sofro na carne esse tormento. Falo como cidadã que paga seus impostos, que com seu voto ajudou a eleger esses dirigentes que fazem “vistas grossas.” Falo porque esta é a terra da qual tiro meu sustento e eu a respeito. Falo, sobretudo porque amo essa cidade, minha terra mãe, sempre tão calorosa e acolhedora! Vou gritar sim... E brigar pela minha querida Vitória e pelo seu povo que também é o meu. Ninguém mais agüenta respirar tanto minério de ferro. Afinal nosso pulmão não é contêiner para carregar tanto pó! O nosso grande cientista e ambientalista capixaba, meu conterrâneo teresense, conhecido internacionalmente, Augusto Ruschi, na época ainda do projeto para a construção deste Porto, foi totalmente contra a sua atual localização. Já previa todos os malefícios a que viria ocasionar a população de Vitória. Mas o jogo de interesses prevaleceu e o Porto nasceu no lugar errado. Já condenado por antecipação, pelo grande cientista. E no governo anterior foi duplicado. Virgem Maria, o que vai ser de nós!... Agora é limpar a casa no mínimo duas vezes por dia e carregar nos nossos pulmões, que todos juntos já devem valer alguns “trocados”, todo o minério de ferro que inspiramos em cada segundo das nossas cada vez mais curtas vidas. E conviver cordialmente com bronquites, rinites, sinusites e tantas outras “ites”. Hoje tenho a mais absoluta certeza de que os PODEROSOS não sentem com o coração e nem pensam com a cabeça. Pensam apenas com a conta bancária ou quem sabe com a BUNDA que se instala na poltrona do PODER e fica viciada e defeca sobre a cabeça do povo.

Carmen Vervloet
Vitória - ES

2 comentários:

Maria Goreti Rocha disse...

Concordo e assino em baixo.
No início de dezembro minha mãe teve pneumonia. A tua também. No mesmo período, "coinscidentemente", a sogra do meu irmão, minha vizinha e tantas outras pessoas, que seguer tomamos conhecimento, passaram pelo mesmo problema. Incrível, que todas no mesmo período, o que comprova que algo está acontecendo de muito errado, não apenas em Vitória, mas também em Vila Velha, Cariacica e cidades mais próximas à Capital.
Louvo o teu protesto, que também é meu, uma vítima a mais da sujeira e dos problemas respiratórios causados por tanta poluição.
Vamos lutar sempre, ainda que seja em vão. Assim mostraremos que não é por cruzarmos nossos braços ou seguirmos o exemplo de Pilatos, que vivemos no caos que se instalou em toda a região da Grande Vitória.
Enquanto isto, vamos usufruindo do pó negro e brilhante, que substitui o glitter nas nossas maquilagens de festas.

Beijos solidários,

Goreti

manouchk disse...

O complexo industrialo-poluidor de Tubarão foi instalado no pior lugar. Os ventos levam o pó para a quase totalidade dos bairros de Vitória. Um descaoso total provocando doenças respiratória em crianças e idosas em particular. Hoje vale e prefeitura esstão discutindo mais poluição com uma usina térmica...

Emmanuel M. Favre-Nicolin
Blog Vitória Sustentável
http://vitoria-sustentavel.blogspot.com/